Conheça 6 benefícios e 4 prejuízos do uso de telas na infância

7 minutos para ler

Você já calculou a quantidade de tempo que seu filho ou filha fica no celular, tablet ou assistindo à TV? E se você somar a essa quantia o tempo que a criança passa em frente ao computador para realização de atividades escolares, quanto dá?

Não se pode negar que os dispositivos tecnológicos são bastante úteis e trazem muita facilidade para o cotidiano de qualquer pessoa, mas, em excesso, podem gerar muitos prejuízos, especialmente para as crianças. 

Por este motivo, segundo recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), o uso de telas na infância deve ser restrito. Os menores de 2 anos de idade, por exemplo, não devem ter acesso algum. Entre 2 e 5 anos, permanência máxima de uma hora por dia. Entre 6 e 10 anos e tempo deve ser de até duas horas.

Neste post explicamos mais sobre os motivos que embasam essas recomendações, destacamos os benefícios do uso de telas na infância e também quais são os prejuízos da exposição prolongada.

6 benefícios do uso de telas na infância

Embora muito seja falado sobre os danos sobre a utilização das telas na infância por meio de celulares ou tablets, tais dispositivos tecnológicos podem apresentar diversos benefícios para o desenvolvimento cognitivo para a criança:

  1. alguns aplicativos e jogos são desenvolvidos especificamente para as crianças e podem incentivar pontos positivos atrelados ao desenvolvimento cognitivo, à imaginação e ao uso da linguagem;
  2. os aparelhos interativos de mídia conseguem também apoiar o desenvolvimento de atividades cerebrais multitarefas, que é mais ativo e responde mais rápido às mudanças de diferentes estímulos;
  3. estimulam habilidades de controle de ferramentas tecnológicas, que com certeza serão cada vez mais fundamentais para a vida adulta principalmente no âmbito profissional;
  4. os dispositivos ainda podem trazer muita diversão para a família. Porém, não devem ser a única atividade de interação entre pais e filhos;
  5. as telas possibilitam que as crianças fiquem em contato com amigos e familiares distantes, mantendo laços e um relacionamento saudável — como ocorreu na pandemia de Covid-19;
  6. a utilização de dispositivos permite a realização de cursos, consultas médicas, aulas, entre outros tipo de reuniões, de maneira remota.

Vale lembrar que o tempo recomendado para o uso dessa tecnologia é variável de acordo com a faixa etária, e o conteúdo deve ser supervisionado pelos pais.

4 prejuízos do excesso de uso de telas na infância

Existem motivos para que as telas na infância sejam limitadas. 

1 – Desenvolvimento cerebral

O contato em excesso de crianças muito pequenas com telas pode causar sérios problemas no desenvolvimento cerebral como:

  • déficit de atenção;
  • atrasos cognitivos;
  • distúrbios de aprendizado;
  • aumento de impulsividade;
  • diminuição da habilidade de regulação própria das emoções.

Conhecida como distração passiva, os pequenos acabam perdendo tempo com o consumo de joguinhos e vídeos nas telas, algo prejudicial e claramente contrário a brincar de forma enérgica.

2 – Obesidade

As crianças que passam a maior parte do tempo sentadas sem praticar atividades físicas e ficam somente se distraindo com dispositivos tecnológicos tendem a ficar obesas devido ao baixo gasto calórico.

Além disso, tais crianças acabam não desenvolvendo habilidades motoras e perdem o interesse por atividades físicas.

No caso do convívio social escolar, esse aspecto pode influenciar diretamente a autoestima e segurança, principalmente nas aulas de educação física e brincadeiras recreativas.

3 – Transtornos do sono

É comum que as crianças que mantêm contato com jogos e vídeos em aparelhos eletrônicos possam perder o interesse em dormir para continuar jogando ou assistindo. 

Além disso, a luz dos aparelhos age no cérebro despertando-o e fazendo a criança perder o sono, afetando o crescimento, o humor e a aprendizagem.

4 – Outros problemas

Além dos danos acima, existem vários outros como:

  • dependência digital;
  • transtornos de alimentação e de imagem corporal;
  • cyberbullying;
  • aumento do risco de abusos sexuais e pedofilia;
  • problemas visuais, miopia e síndrome visual do computador;
  • problemas auditivos e de postura;
  • entre outros.

Como limitar o uso de telas na infância 

É necessário que os responsáveis fiquem atentos com relação ao tempo de uso e os conteúdos acessados pelos filhos. É fundamental estabelecer limites e regras que vão reduzir os males causados por esse tipo de aparelho, como não utilizá-lo durante as refeições, ter uma quantidade máxima de uso, horário para estudos e para dormir etc.

Para trabalhar na orientação das famílias, os educadores e pediatras da Sociedade Brasileira de Pediatria-SBP desenvolveram um manual em 2019 que aborda a utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação e o seu impacto na saúde e no comportamento das crianças e adolescentes. Conheça algumas dessas recomendações que aconselham limites para o uso de telas publicados no Manual de Orientação #Menos Telas #Mais Saúde:

  • menores de 2 anos — evitar a exposição às telas, inclusive passivamente;
  • entre 2 e 5 anos — máximo de 1 hora por dia, sempre com a supervisão dos responsáveis;
  • entre 6 e 10 anos — máximo de 1 a 2 horas por dia, sempre com supervisão dos responsáveis;
  • entre 11 e 18 anos — máximo de 2 a 3 horas por dia para telas e jogos de videogame, e nunca permitir “virar a noite” jogando ou em frente às telas.

Para todas as idades:

  • nada de telas durante as refeições e se desconectar 1 a 2 horas antes de dormir;
  • estimular o uso das tecnologias em locais comuns da casa e não de forma isolada nos quartos;
  • oferecer atividades esportivas, exercícios ao ar livre ou em contato direto com a natureza, sempre com supervisão dos responsáveis;
  • nunca postar fotos de crianças e adolescentes em redes sociais públicas;
  • criar regras saudáveis para o uso dos equipamentos e aplicativos digitais e aplicar senhas e filtros apropriados;
  • evitar encontros com desconhecidos online ou offline;
  • saber o que estão jogando e os conteúdos de risco.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) ainda determinou orientações para os responsáveis monitorarem a utilização de dispositivos digitais. A OMS também não indica que crianças de idade inferior a 2 anos façam o uso de aparelhos eletrônicos e digitais.

Se nos tempos atuais o uso da tecnologia tem se tornado quase que obrigatório, também é verdadeiro que começamos a enxergar problemas que o uso em excesso traz para crianças e adolescentes.

Mesmo que não seja fácil afastar os pequenos da frente das telas, as organizações mundiais deixam cada vez mais evidente que essa tarefa é fundamental. Portanto, impor normas e regras é função dos adultos.

O uso de telas na infância, por longos períodos, consegue atrasar o desenvolvimento físico e mental da criança, inclusive originando vícios para toda a vida. Fique de olho!

Aproveite que está por aqui e leia mais sobre a geração Alpha.

Posts relacionados

Deixe um comentário